9.9.08

c h u v a

C h u v a

É derramar água do céu
Desarmar o céu
E os meus pensamentos
O relâmpago acende
Esta palavra sola
O ritmo do coração
É do tiesto
Tenho um coração novo que bate com pressa
E desnorteado
Será pelas ondas do mar
Que me engolem de noite quando durmo
As coisas estão molhadas
As toalhas
As lajes
As pedras
As plantas
Os fios
A areia
Os muros
Os telhados
As casas por fora
Os buracos
As tendas
Os estacionamentos
A praia inteira
C h u v a
é acender relâmpago
Dissolver a palavra
Ritmar o coração
Ter coração novo
Marejar as ondas
Engolir a noite e o sono
Molhar as coisas
Esconder o céu
Esconder-me
E a praia inteira
Ouço vozes da televisão
Limpo com panos a cozinha
Cubro os ombros de xale
Aqueço os pés
C h u v a
É ouvir vozes
Aquecer as ondas
Limpar a palavra
Cobrir o relâmpago
Esconder os panos
Molhar o coração
Derramar o xale
Desarmar os pés
Bater a solidão
Marejar as coisas
E a praia inteira

Um comentário:

Saiô disse...

Eli, gostei de tudo aqui... voltarei amiúde.